Como a alimentação influencia na prática de exercícios físicos?Blog D

Como alimentação influencia na prática de exercícios físicos?

Por: // 13.09.16 // Categoria Estilo de Vida

Modelos a serem seguidos surgem todos os dias nas redes sociais, dietas malucas são sugeridas e uma carga de exercícios é indicada, chegando a ser surreal. Com o assunto em pauta, aparece também a necessidade de se falar sobre como todo o entorno influencia na sua performance durante as atividades físicas – e um dos pontos mais importantes, sem dúvida alguma, é a alimentação. Se a velha máxima diz que “você é o que você come”, ela não poderia estar mais certa. Antes de se meter a podar os alimentos que você come ou simplesmente pular refeições, é importante entender um pouco do processo.

Para isso, o primeiro passo é consultar um especialista. E quando dizemos especialistas, estamos falando de nutricionistas. O personal/professor de educação física pode sim ter um conhecimento, mas ele é superficial quando se trata de alimentação. Junto disso, é fundamental que você entenda o que está exigindo do seu corpo e alinhe isso com o que você come. Uma pessoa que pratica atividades que exigem demais da potência cardiorrespiratória, por exemplo, precisam de doses de nutrientes diferentes de quem está investindo em um treino de força (hipertrofia).

Outro erro comumente cometido no meio é atrelar o ato de comer ao pré e pós treino somente. Estudos realizados pelo site Precision Nutrition indicam que a influência da alimentação total é muito mais importante do que somente o que você ingere antes ou depois do treino (que também são fundamentais, mas em escala menor). Se você tomar os melhores suplementos, mas não se alimentar pelo resto do dia, provavelmente seu corpo não terá os nutrientes e micronutrientes necessários para fazer a recuperação muscular.

E esse não é o único malefício de uma alimentação inadequada. Com a ausência dos elementos necessários em nosso organismo, nosso músculo fadiga muito mais rápido, aumentando a probabilidade de lesões, perda de massa muscular, queda do desempenho como um todo e a sensação de cansaço estendida. Ou seja, sabe aquela dieta que te indicaram e que recomenda longos períodos sem comer? Deixe isso de lado imediatamente, porque é furada na certa!

Mas qual o caminho mais adequado? Batemos no ponto de que consultar um especialista é sempre a melhor opção, mas existem alguns caminhos cientificamente comprovados para atingir resultados positivos quando falamos de aliar alimentação e exercícios físicos. O aumento da capacidade de absorção dos nutrientes pós-treino é um deles. Portanto, esse é um excelente momento para consumirmos carboidratos e proteínas e ajudar a repor os estoques energéticos, além de fazer parar o processo de quebra muscular.

Manter-se hidratado também é uma excelente dica (prefira sempre um copo de água do que qualquer outro líquido!) e muito, muito cuidado no uso de suplementação. Constantemente são descobertos casos de manipulação do rótulo, onde uma coisa está descrita e a composição se mostra completamente diferente. Fazer uma boa pesquisa na internet é sempre uma boa pedida antes do consumo. Importante também falar que nunca se faça o uso sem recomendação. Essas substâncias são recomendadas para pessoas que praticam exercícios de alta performance e utilizá-las de maneira desnecessária pode sobrecarregar a função do seu organismo.

E aqui fica a dica mais importante do texto: faça exercícios e cuide da sua alimentação para que você se sinta bem, para que você se olhe no espelho e goste do resultado – nunca por pressões externas. Fazendo isso, você deixa o processo de transformação mais prazeroso e consegue sentir a sua rotina mudar, pouco a pouco!